terça-feira, 23 de agosto de 2011

"O CAMPEÃO" do "vale de lágrimas"...



Segundo o jornal "Expresso", depois de estudados mais de 250 filmes e seleccionadas 78 cenas, foram analisadas as reações de uma audiência de 500 voluntários.
Os resultados do trabalho desenvolvido pelos investigadores Robert Levenson e James Gross da Universidade da California (EUA), resultaram numa lista de 16 trechos capazes de estimular emoções específicas (como nojo, raiva ou tristeza), publicada em 1995.

A cena que mais levou a audiência às lágrimas foi, de todas as candidatas, a da criança T.J. (interpretado pelo ator Ricky Schroder) a chorar sobre o corpo sem vida do pai.
Dois minutos e 51 segundos é quanto dura este trecho, que tem sido usado numa série de estudos em todo o mundo sempre que, para bem da ciência, se torna necessário acabar com a alegria dos participantes.
Fui ver este filme, "O Campeão", ao cinema Mundial, situado numa transversal da Avenida Fontes Pereira de Melo. Uma sala muito bem situada, por acaso, dado que por baixo existia um bar-discoteca, "As Caves do Mundial", onde "desfilavam" algumas das mais vistosas "raparigas" de Lisboa. 
Segui a fita na primeira fila do primeiro balcão. A minha mulher (oficial) da altura acompanhava-me e estava sentada ao meu lado esquerdo. Esta cena do filme é realmente comovente, o cinema  inundava-se num vale de lágrimas, ouviam-se nitidamente os soluços de choros mais ou menos convulsivos e a minha mulher também encharcou um lenço. 
No entanto, dentro desta cena uma outra "cena" inesperada aconteceu-me. A "menina" morena de cabelos compridos, mini-saia e botas altas, à minha direita, à falta de melhor, ou de companhia, resolveu exteriorizar as suas emoções, agarrando-me um braço e encostando a cabeça ao meu ombro, deixando um rasto bem visível de "rimmel" diluído em lágrimas na minha camisa. 
A minha mulher não achou muita graça ao ver a "menina" das "Caves do Mundial" num pranto de Madalena a desabar sobre a minha pobre e inocente pessoa e por pouco a cena do filme não foi ofuscada por uma outra "cena" bem mais real no primeiro balcão do cinema "Mundial"...E eu, sem culpa alguma, entalado entre aquelas duas feras prestes a esgatanharem-se furiosamente...
Saí de fininho, como se costumam classificar as retiradas estratégicas, e daí até casa respondi dezenas de vezes "não" às insistentes perguntas da minha mulher se eu conhecia ou não aquela chorosa "menina". 
Será que conhecia?...

Sem comentários:

Enviar um comentário