domingo, 1 de maio de 2011

AYRTON SENNA morreu há 17 anos !

Ayrton pensativo...como sempre

1º de Maio de 1994. Estava a trabalhar no Jornal. Sem ninguém da CGTP nem da UGT a berrar-me à porta para ir para casa ou a invectivar o meu patrão por nos estar a escravizar. Eu fazia o meu serviço por gosto. Como sempre. Era um Domingo calmo sem notícias sensacionais. Enquanto não chegava a "hora de ponta" do Jornal ia vendo com interesse o Grande Prémio de São Marino porque sempre apreciei a Fórmula 1. Sem que nada o fizesse prever vejo o Williams-Renault de Ayrton Senna sair muito largo de uma curva à sétima volta do Autódromo Enzo e Dino Ferrari e embater com grande violência no muro de protecção. Apesar do aparato de bocados de carro a voar em todas as direcções não me parecia estar perante uma tragédia. No entanto, à medida que os minutos passavam e o piloto brasileiro permanecia dentro do carro sem se mexer e, posteriormente, com a aterragem do helicóptero médico na pista comecei a pensar que a situação poderia ser bastante grave. Pelo sim pelo não, comecei a tomar medidas em relação a possíveis alterações na feitura do Jornal não fosse acontecer o pior. Aconteceu. Dei o alerta geral na Redacção quando foi noticiada a morte do grande piloto. Num ápice, uma calma e serena tarde de um Domingo de 1º de Maio transformou-se numa azáfama só possível num Jornal. Era preciso "dar tudo" sobre o falecimento de Ayrton Senna, a sua biografia, o currículo, fotos, reacções à sua morte. O Futebol foi relegado de imediato para segundo plano. A manchete e as primeiras páginas do Jornal eram dedicadas pelos piores motivos ao grande campeão do Mundo que falecera a exercer a sua profissão no Dia do Trabalhador. 
Eu conhecera Ayrton Senna precisamente dez anos antes quando ele conquistou a sua primeira vitória num Grande Prémio de Portugal, no Estoril, numa tarde diluviana. Não era uma pessoa com quem se simpatizasse à primeira vista ou às primeiras palavras. Não tinha a empatia de Emerson Fittipaldi, por exemplo, e estava longe de ser o típico brasileiro extrovertido que gera alegria em seu redor. Pelo contrário, era muito reservado, difícil de lhe arrancar uma palavra e mesmo o seu raro sorriso parecia emanar de uma profunda tristeza. Na pista, porém, era de uma coragem quase suicida e ficaram famosos os seus duelos, algumas vezes poucos cavalheirescos de parte a parte, com o francês Alan Prost.
Na sua curta carreira, Ayrton Senna correu na Toleman, Lotus, Mclaren e Williams, venceu 41 dos 162 GP's que disputou e sagrou-se campeão do Mundo em 1988, 1990 e 1991.
Faz hoje 17 anos que morreu umas das personagens mais carismáticas e controversas do Desporto mundial e não encontro uma linha sequer sobre o evento. A memória dos homens é curta; a minha não porque todos os 1º de Maio me recordo que fiz um dos exemplares do Jornal mais stressantes da minha carreira. Infelizmente!
O acidente fatal de Senna

5 comentários:

  1. Lembro-me bem desse dia! Via com o meu pai a Fórmula 1, era viciada naquilo, e grande fã do Ayrton Senna! Foi uma tarde de olhos no écran! Uma tristeza profunda!

    Mas é verdade que o homem tem memória curta. De facto, como nada se disse nos meios de comunicação acerca desta data? Parece-me bem injusto!

    Obrigada por partilhares e me avivares a memória!

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que te avivei boas memórias. bjkx.

    ResponderEliminar
  3. Eu, como a "gaja", sempre fui um cara tremendamente viciado na F1, infelizmente, até esse fatídico Domingo 1 Maio e ao GP seguinte ao do acidente, no Mónaco, em que tivemos os dois primeiros lugares da grelha de partida "vazios"... À partir daí nunca mais assisti a qualquer corrida da F1 aos Domingos. Ayrton foi no seu tempo, e continuará a ser para sempre, tal como outros, um grande ídolo para mim. A fatalidade do destino obriga-me a recordar para sempre essa data, pois, passou a ser o dia do feriado do 1º de Maio, dia do trabalhador, dia da morte de um dos melhores pilotos da F1 de todos os tempos, e também o dia de aniversário do meu pai, com quem assisti (ainda no Brasil) aos primeiros passos do Ayrton na Toleman, e que se fosse vivo, teria completado 78 anos de idade. Parabéns pelo excelente texto "trokatintas", e pela lembrança, muito bom! Um abraço, beijo pra "gaja".

    ResponderEliminar
  4. nunca vai existir um corredor igual a airton senna no brasil

    ResponderEliminar
  5. Mesmo sendo tao pequeninha
    sinto um carinho imenso por ele
    ele era intenso
    me passa isso nos olhos
    no andar no falar
    em cada curva
    Pena nunca ter tido o prazer de velo correr ao vivo...
    Ayrton Senna meu idolo

    ResponderEliminar