terça-feira, 31 de maio de 2011

O camião TIR do amor !


Aqui pelo meu sítio qualquer anormalidade é...normal. Um camionista de longo curso tem uma amante num prédio perto do meu. Nada de especial. Quem é que não tem uma amante ou um amante real, virtual, platónico ou em pensamento? Pois bem, o nosso amigo recebeu luz verde da "outra", que tinha o marido fora nessa noite, e acelerou, que não era hora de perder tão atractiva oportunidade,  até à avenida principal aqui da zona. Como não é fácil arrumar um camião TIR à meia-noite numa zona semi-dormitório estacionou-o em segunda fila. E lá foi cumprir os seus deveres extra-conjugais. O problema foram os outros carros estacionados em "espinha" que ficaram entalados entre o veículo pesado e um muro. Nada menos que oito veículos ligeiros perderam qualquer hipótese de sair dali para fora. Para complicar a situação nada menos que três "empata-amantes" resolveram sair àquela hora da noite. Depois de esperarem um bom bocado desataram a carregar nas buzinas dos respectivos automóveis e acordaram toda a gente que tem a estranha mania de se deitar cedo para cedo se erguer. Milhares de janelas depois e umas centenas de pessoas à janela em pijama, camisas de noite e pelados/as apareceu a Polícia. A avenida alegrou-se com a luz azul do pirilampo rotativo do carro das autoridades, a que se juntou um outro e posteriormente um reboque. Os donos dos pópós encurralados pelo monstro de 16 rodas que pretendiam sair dali para fora exigia que a Polícia removesse aquele obstáculo dali para fora. Fora de questão, explicavam os agentes da ordem. "Não temos reboques para tirar veículos deste tamanho", tentava o graduado convencer os furiosos automobilistas reféns de um camionista apaixonado ao domicílio. Entre apitadelas, conferências entre as partes interessadas no imóvel caso a populaça aglomerava-se em redor do cenário. Quando se junta um português, juntam-se dois ou três...ou umas centenas...
Já a madrugada ia bem alta e a "manifestação" animada quando surgiu um indivíduo esguio, ainda a ajeitar as calças e a camisa, que se dirigiu para a porta do camião, subiu o degrau da cabina, voltou-se para trás e perguntou:
-- Há algum problema ? 
Nãããããããããõ !!!!!!!

segunda-feira, 30 de maio de 2011

AS ARMAS NÃO DISPARAM SOZINHAS !

As armas não têm vida própria...


Noticiam os jornais que um militar da GNR morreu com um tiro na cabeça devido a disparo acidental quando manuseava a  arma de serviço. Estes pormenores evidenciam uma série de contradições. Em primeiro lugar, as armas não disparam sozinhas; em segundo lugar, como estaria ele a mexer na arma para a bala se alojar na própria cabeça? Há aqui alguma coisa que não bate certo. É um facto que as forças policiais têm um défice terrível de preparação com armas de fogo e são um perigo público com elas nas mãos. Seja pelo programa de formação dos agentes, seja por questões de ordem orçamental, a verdade é que o treino na carreira de tiro é essencial quer para evitar acidentes, quer para as usar em caso de força maior. 
Quando se pega numa pistola, retira-se o carregador, destrava-se a patilha de segurança, puxa-se atrás o manobrador da culatra, o que faz saltar alguma munição que esteja dentro do mecanismo de disparo, e prime-se o gatilho para o ar ou para o chão depois de a  culatra estar em posição de fogo e assim há a certeza absoluta que não existe qualquer perigo. A carregar a arma, introduz-se o carregador, coloca-se a patilha em modo de segurança, arma-se a culatra para entrar uma munição e está pronta a ser enfiada no coldre ou a empunhá-la sem qualquer perigo. Que diabo, isto é assim tão difícil de aprender e treinar para manejar uma pistola em perfeita segurança? Claro que não. Não há, portanto, armas que disparam sozinhas e muito menos que atinjam o própria na sua cabeça. A não ser que...
Uma sugestão: ponham os veteranos da Guerra do Ultramar reformados a ensinar aos polícias como se manejam armas e estes "acidentes" acabam de uma vez para sempre!

domingo, 29 de maio de 2011

Campanha eleitoral: SOCORRO !

Aí vem o próximo primeiro-ministro...


Os partidos políticos não aprendem com a evolução dos tempos. Parecem clones saídos das famigeradas Novas Oportunidades que certificam a ignorância. Os debates televisivos nada esclareceram porque estão mal estruturados. Os candidatos em vez de um pingue-pongue inócuo e confuso a dois, deveriam  ser os cinco generais dos partidos com assento na Assembleia da República  a explicar tim-tim-por-tim-tim  a Educação, a Saúde, a Segurança, a Justiça, a Economia e as Finanças em debates temáticos separados, com a condição prévia de ser rigorosamente proibido  evocar o passado e exprimir apenas os programas quanto ao futuro. 
José Sócrates é uma aberração política parida pela Juventude Social-Democrata, que se transferiu para o albergue espanhol do Partido Socialista, onde subiu a escala promocional através de manhas e artimanhas, sem nunca ter feito a ponta de um corno na vida, a não ser cursos duvidosos, galinheiros de mau gosto e uma série de suspeitas em casos obscuros que o Procurador-Geral da República se aprestou a limpar com a esfregona da (in)Justiça portuguesa. Um discurso do primeiro-ministro é um vómito de sexo (fornicar o Povo), mentiras (alguma vez terá dito uma verdade na vida?) & vídeos (onde não é referido por ser sério...). Quem votou nele em 2005 foi enganado, se votou de novo na figura em 2009 é burro, se ainda vão colocar a cruz à frente de tão sinistra personagem então é um traidor à Pátria...
O PPD tirou um Coelho da cartola. No entanto, perseguidos pelos cães-de-fila cavaquistas, este Coelho comporta-se como os seus "primos" na Natureza...Não corre em linha recta. Ziguezagueia para escapar às dentadas dos pachecos pereiras, marcelos rebelos de sousas e outros caçadores de opinião que envenenam os ouvidos de quem tem a pachorra de os seguir. O único mérito que conseguiu até hoje foi esmagar o adversário socrático na televisão com a mesma serenidade com que o Barcelona arrebatou a Liga dos Campeões ao Manchester United. 
Paulo Portas é um "case-study". O inquisidor-mor do PSD de Cavaco através de "O Independente" (ma non troppo) na década de 80 e início dos anos 90 quer agora amantizar-se com Passos Coelho no novo governo, depois de uma "união de facto" com o maoísta Durão Barroso e o noctívago Santana Lopes. Dois submarinos depois, o Paulo gira pelas feiras com mais estrondo que o antigo Poço da Morte na defunta Feira Popular que o inútil António Costa não consegue reerguer. 
O Jerónimo do PCP travestido de CDU de Sousa é como o algodão. Não engana. Ainda segura um pedacinho do Muro de Berlim entre os escombros do socialismo marxista-leninista-estalinista. A terceira idade lá arrasta os seus bicos-de-papagaio na procissão comunista e garante a sua fatia habitual à volta dos 10% na Assembleia dos preguiçosos da República. 
Louçã é o cocktail-Molotov da política portuguesa, mais pela salada de tendências que é o Bloco de Esquerda do que pelos estragos que causa na vida pública portuguesa. Com os maricas já casados nada mais resta ao BE para reclamar. A não ser que apareça por aí um tarado qualquer a exigir que pretende casar com um tijolo...
E pronto. A 5 de Junho lá vai o rebanho (carneiros e todos os outros signos do zodíaco...) enfiar no buraco das urnas os votos do funeral da Nação...Valha-nos já nem sei quem !


sábado, 28 de maio de 2011

ZÉ ESTALINE, LA PASIONARIA, GRUPOS ANTI-SISTEMA E ANIMAIS substantivos e adjectivos

O Pai dos Povos, La Pasionaria e os parvos

Nunca fui de grupos nem em grupos. Excepto nas equipas onde joguei e nos quartéis ao serviço da Nação. No trabalho, então, nem pensar. Grupos nem vê-los. No espaço virtual da Internet entrei num dos grupos anti-sistema político agora em voga. Nada de novo para mim que sempre fui anarco-nacionalista com todas as vantagens e desvantagens que o meu de estar implica. Bem, nesse grupo, do qual já me despedi, conheci gente impecável pessoal e intelectualmente mas esbarrei também com o sarro de qualquer organização portuguesa: a prepotência. E fez faísca, claro. 
Ser anti-sistema pressupõe abertura de ideias ou de espírito. Nem todos. O grupo tem uma administração que está para quem lá transita como a Brigada de Trânsito para o trânsito. Desde que a malta siga o Código da Estrada tudo rola sobre rodas. Mas...Há sempre um mas nestas histórias de grupos. Um grupo português sem ditadores não é uma organização perfeita. Basta dar um cargozito insignificante a um lusitano e logo nas suas veias começa a ferver o sangue de vândalo. 
Claro que o "sanguinolento vândalo" Zé Estaline, um tronco de nogueira carunchoso corroído pelo autoritarismo, tinha de vir marrar comigo. O Pai dos Povos julgou que iria reinar como Pai dos Parvos.  Eu que nunca aturei o Salazar e estou-me nas tintas para os políticos de A a Z ripostei-lhe também com o meu sangue vândalo e acrescentei-lhe uns pozinhos de alano e suevo e ainda a minha costela árabe. 
Ao Zé Estaline junta-se La Pasionaria. Esta não é Dolores mas tem uma dor de corno qualquer.
Atenção que a autocracia nacional é unisexo. 
O bronco do tronco e la pasionaria, a nomenklatura do Kremlin do Grupo,  esgotaram as formas de achincalhar o pessoal que se deixa achincalhar e à falta de novos "recrutas" passaram a embirrar com os...animais. "Não gastemos energias com os animais", clama o Zé Estaline lá da sargeta; "Não sei como se pode chorar a morte de um cão", esganiça La Pasionaria que veio lá das cárceres do Leste a derramar lágrimas de crocodila sobre a mala e os sapatos de dita cuja, como se a Norte, a Sul e a Oeste nunca se tivessem erguido prisões ou praticado holocaustos. 
Eu, na estrada, entre atropelar um cão ou gente desta não hesitava...E depois eu, o canino e os meus gatos vivíamos felizes para sempre ! Se o meu "General Patton Kanoka" deixasse...Mas isso é outra história!

sexta-feira, 27 de maio de 2011

A polícia privada socialista

Cidadão pelos cabelos com  Sócrates vai de cana...


Estava José Sócrates a debitar as suas habituais aldrabices em Faro, no comício do partido que levou o país à ruína financeira, quando um grupo de cidadãos honestos contestaram, e com razão, as mentiras que iam ouvindo. Logo os cães-de-fila do Largo dos Ratos armaram-se em queixinhas à Polícia e uns quantos agentes à civil identificaram uma mão cheia de pessoas aversas às pinoquices do primeiro-ministro e uma delas foi conduzida à esquadra. 
Hoje, em Almada, o líder do CDS, Paulo Portas, foi insultado por um tipo qualquer. Esperava-se uma intervenção da Polícia para proteger a acção de propaganda eleitoral em questão, o que  não aconteceu. Quem salvou Paulo Portas do aperto foram algumas mulheres corajosas, que nem sequer pertencem ou simpatizam com o partido centrista, e um outro cidadão anónimo, também alheio ao PP, que meteu o rezingão na ordem. 
É curioso, ou não, como a polícia acorre solícita aos pedidos de socorro socialistas e deixou um político em campanha pelo CDS entregue à sua sorte. Os agentes à civil em Faro estavam de serviço ou eram também apoiantes da rosa para intervirem tão rapidamente? Ou pior ainda. Está a PSP às ordens exclusivas do PS e também em campanha eleitoral? Esta  indefinição entre Estado e partido governamental é grave e já demonstrou que não garante a independência das instituições. Os casos referidos são sintomáticos quanto à dualidade de critérios e a promiscuidade existente entre governantes e candidatos a eleições. 
Democracia em Portugal? A minha gargalhada de desprezo...Ah! Ah! Ah!

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Sondagem a mim mesmo



Universo contactado, 1 pessoa, margem de erro: 0%. 
Sondagem telefónica a mim mesmo do telemóvel para o telefone fixo.
PSD: 0% 
PS: 0% 
CDS: 0% 
CDU: 0% 
BE: 0% 
Abstenção: 100% 
Votos nulos: 0%
Votos em branco: 0%

terça-feira, 24 de maio de 2011

À espera de novas políticas

À espera de novas políticas!

As praças das principais cidades espanholas encheram-se de "acampadas" para mudar o "status" político de Espanha. E mudaram. Quase todas as regiões autónomas passaram do PSOE "socialista" para o PP "liberal", à excepção do País Basco e da Catalunha, onde venceram  partidos nacionalistas e pró-independência. A mudança, no entanto, não foi a pretendida por esses movimentos populares porque, ao fim e ao cabo, tudo ficou na mesma, à excepção de mais um empurrão para a secessão do País Basco e da Catalunha da coroa de Castela, o que, obviamente, acabará numa guerra civil. 
Em Portugal, alguns espanhóis e bastantes portugueses vão "acampando" pelo Rossio a poucos dias de eleições legislativas. A intenção também é mudar o "status" aqui no nosso rectângulo da Península Ibérica. E, tal como em Espanha, também se verificará uma transmissão de poder, neste caso do PS para o PSD (+ CDS). A única diferença entre os dois estados é que ainda não temos por cá partidos independentistas dos Açores, Madeira, Miranda do Douro, Algarve ou Cova da Moura (este último um caso muito semelhante ao do Kosovo...)!
O que vai mudar a partir de 5 de Junho?
As reformas em duplicado e triplicado mantêm-se (apesar do FMI);
As reformas acima dos 1800 euros (o máximo permitido na rica e próspera Suíça) mantêm-se (apesar do FMI);
As reformas vitalícias de deputados, ex-presidentes da República e outros políticos mantêm-se (apesar do FMI);
As reformas mais baixas, no entanto, continuam congeladas; 
A Constituição Portuguesa escrita pelo Léon Tolstoi sobrevive intocável;
A Lei Eleitoral continua a impedir os cidadãos de eleger o primeiro-ministro, o governo, os ministros e os deputados que pretendemos; 
A Justiça continuará politizada, com o PGR nomeado por confiança política do PR e do PM; 
O Tribunal Constitucional é na sua maioria constituído por comissários dos partidos da Assembleia da República; 
O Governo continuará sem prestar contas aos cidadãos;
A diferenciação laboral entre funcionários públicos e privados e a ADSE e a Segurança Social manter-se-à;
A Administração Pública continuará a ser um feudo dos partidos do governo; 
Os excessos nas empresas públicas e autárquicas continuará a engordar as contas bancárias dos gestores;
E seria fastidioso enumerar o que vai de mal a pior...
Portanto, continuemos  a aguardar por uma manhã radiosa com os canos das armas a assomarem às esquinas dos alvos estratégicos que serão necessários tomar e/ou derrubar. 
Entretanto, vamos conversando...

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Discurso de Sócrates dia 5 de Junho

Apoiantes socialistas despedem-se de Sócrates

"Portugueses, paquistaneses, siks, indianos, africanos, vietnamitas, sunitas, apaches, comanches, apolimas-araras, aricapus, chamacocos, cintas-largas, paracatejês-gaviões, xiitas, gitanos, calancós, sioux, pés-negros, miritis-tapuias, parintintins, tremembés-de-almofada, sefarditas, uapixanas, gurkhas, sherpas, bangladeshianos, caxagós, yupiks, maoris, aljauaras e outros camaradas socialistas que me acompanharam por todo o país na campanha eleitoral. 
Os ingratos dos eleitores não nos deram a vitória nestas legislativas. Nós, socialistas, que durante seis anos tantos nos sacrificámos pelo povo e que colocámos Portugal na vanguarda da tecnologia, do progresso e do bem-estar. A propaganda ultraliberal, demagógica, bota-abaixista, comunista e bloquista cobriu com um manto de mentiras e falsidades o nosso trabalho que está à vista de toda a gente. Cumprimos as nossas promessas. Consegui os 150.000 empregos do nosso programa. O Jorge Coelho foi para a Mota-Engil, o Armando Vara foi para o BCP e os outros 149.998 socialistas são assessores, consultores, secretárias, motoristas e seguranças do PS, desculpem, do governo. As crianças nascem felizes em Badajoz e os doentes do Alto Minho têm todas as condições de saúde nos hospitais de Tuy e Vigo. O aeroporto está pronto. Não é na Ota, não é em Alcochete, é em Beja e já temos garantidos um voo por semana com 45 passageiros para admirarem os chaparros à volta. 
Nas estradas, as IP1, 2, 3, 4, 4, 6, 7, 8, 9, os IC 1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30,31,32,33,34,35,36,37 e as AE 1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30,31,32,33,34,35,36,37,38,39,40,41,42,43,44,47 e 48 foram concluídas pelo nosso governo e só não alcatroamos o quintal da Dª Almerinda para construirmos a A50, entre os números 5 e 9 da Rua da Internacional Socialista,em Barrancos, porque estes ultra-liberais, demagogos, botas-abaixistas, comunistas e bloquistas provocaram a queda da nossa bondosa, caritativa e tecnológica de ponta política de estado social.
Poderia alongar-me no infindável progresso do país sob a nossa égide de igualdade e fraternidade. Cedemos o Centro Cultural de Belém para o Berardo guardar os tarecos, os nossos rios estão mais belos com o cimento das barragens, os montes ganharam vida com as florestas de ventoinhas que vêm discriminadas na factura da EDP, hoje somos um país produtor e exportador de sucata do nosso camarada Godinho, os tribunais condenam os criminosos com severas penas do perigo de andar em liberdade, a boca do inferno da Manuel Moura Guedes desapareceu dos ecrãs de televisão de HD, a geração à rasca foi dar novos mundos ao Mundo como os nossos valentes marinheiros dos Descobrimentos, as equipas portuguesas dominam a Liga Europa e o Parque Mayer estará recuperado até ao final do século e a Feira Popular daqui a mais quatro intervenções do FMI. 
Agora, camaradas, despeço-me de vocês porque amanhã tenho de me levantar cedo para começar as Novas Oportunidades e ainda tenho de procurar o meu diploma que não me lembro onde está".  




domingo, 22 de maio de 2011

Ai o meu dedo !

O meu pézinho com o segundo dedo decepado...


Fui cortar as unhas dos pés. À primeira vista pode ser um acto trivial. Para mim, não. É um suplício. As unhas são rijas como cornos e até cederem ao corta-unhas ou à tesoura é o cabo dos trabalhos. Agora peguei no corta-garras, apontei-o à unha, apertei, doeu-me, mas não liguei. Apesar de ter torcido o instrumento a unha saltou. Fiquei descansado e vim para o PC. Passado um bocado, senti o pé todo molhado, olhei e vi um gato deitado perto do "presunto". Ainda pensei: "Queres ver que o gato fez as necessidades urinárias em cima do meu pé?". Não. O pé estava todo vermelho de sangue e até fazia uma poça no chão. Descobri então que em vez de cortar a unha, cortei a dita cuja mais um bocado do dedo. Ai...ui...como isto dói !!!

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Aquela máquina de SEXO...



Acho que nunca mais vou olhar como antes para um automóvel. Isto por causa de um tal Edward Smith, um  americano que  vive com a sua namorada. Até aqui tudo bem. Milhares de milhões de homens vivem com mulheres. E vice-versa. A questão substantiva que trás este caso até aqui e a muitos jornais em todo o Mundo não teria qualquer interesse se a namorada do tal mr. Smith fosse um ser de carne e osso. Mas não. Também não é uma boneca insuflável. Aposto que alguns já tinham pensado nisso. A verdade, por muito incrível que pareça,  é que a apaixonada não é uma mulher, mas sim um carro, isso mesmo, um automóvel, mais precisamente um Volkswagen Beetle, mais conhecido em Portugal por 'Carocha' e com o saboroso e doce nome de 'Vanilla' ('Baunilha').
O mr. Smith confessa assim a sua paixão: -- Eu sou um apreciador da beleza e com esta  atitude vai um pouco mais longe do que a maior parte das pessoas.
Romântico por natureza, presenteia as máquinas pelas quais se apaixona com poesias, canções e horas de conversa, como qualquer homem apaixonado faz com o objecto da sua devoção.
Diz que, inicialmente, não percebia os sentimentos que o assolavam e explica que «havia momentos em se no meio do nada via um carro estacionado, imediatamente sentia que este precisava de amor». Então, esperava que caísse a noite para o acarinhar, beijar e abraçar, avança o jornal "The Telegraph".
Smith, de 57 anos, teve sexo com um carro pela primeira vez quando tinha 15 anos e explica que nunca se sentiu atraído nem por homens nem por mulheres. É fiel às máquinas...e já "dormiu" com cerca de mil carros que o seduziram e excitaram...
A última vez que esteve com uma mulher foi há 12 anos atrás e não conseguiu consumar o acto sexual, pois, segundo o próprio afirma: «Eu sei o que está no meu coração e não sinto qualquer desejo de mudar». Faltava-lhe o tubo de escape, a alavanca das mudanças, os faróis, os assentos, os cilindros, enfim, tudo o que um homem sonha num automóvel.
Antes de "Vanilla", mr. Smith  teve uma relação de cinco anos com "Victoria", não a Beckham mas sim   um Carocha de 1969 que comprou a um casal de testemunhas de Jeová.
Porém, o seu gosto por máquinas é abrangente e não se fixa apenas nos carros. De acordo com o próprio, a experiência sexual mais intensa que já viveu foi com um helicóptero da série televisiva dos anos 80, 'Airwolf'.
Edward Smith aceitou falar pela primeira vez sobre as suas preferências sexuais para um documentádio do canal televisivo norte-americano Channel 5.
Este trabalho televisivo irá dar a conhecer à generalidade da população a 'mecanofilia', nome desta obsessão por máquinas (bicicletas, veículos a motor, helicópteros e aviões) que é comum a algumas centenas de pessoas.
Na verdade, Smith faz parte de uma comunidade de cerca de 500 pessoas que se relacionam e trocam experiências maioritariamente através de fóruns na Internet.
Será que ele algum dia irá apaixonar-se e ir para cama com uma sedutora "1, 2, 3" da Moulinex ? Até me arrepio só de pensar nas consequências...

O "animal feroz" afinal é um COELHO !




O debate entre Pedro Passos Coelho e José Sócrates marcou o início da queda do abominável regime socialista que administrou Portugal como uma coutada partidária para amigos e conhecidos. 

O "animal feroz" debateu-se como uma minhoca no anzol do próximo primeiro-ministro e bem pode começar a arrumar os tarecos, incluindo o seu canudo domingueiro, para se fazer à vida e ir trabalhar para as obras do seu amado TGV ou desenhar uns galinheiros para instalações agropecuárias. 
Paulo Portas, que afiava o dente talvez para negociar um porta-aviões, é capaz de ficar mesmo fora dos jogos do poder nas próximas eleições, se o PSD conseguir uma maioria absoluta, nada impossível no caso do líder social-democrata ter convencido uma margem significativa de indecisos. 
Além do Governo, é essencial atirar para a enxurrada da limpeza geral do País o PGR, o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, governadores-civis, administradores públicos e autárquicos, directores-gerais, regionais e de serviços, enfim, toda a sucata socialista responsável pelos níveis miseráveis do país em praticamente todos os índices. 
Sócrates deixa atrás de si um rasto de destruição, uma país transformado em autêntica terra queimada, com 750 mil desempregados, 150 mil milhões de dívida, um défice recorde e um buraco financeiro maior que o do ozono. 
Está quase a ficar para a História o pior primeiro-ministro deste jardim à beira-mar arruinado. 


.

terça-feira, 17 de maio de 2011

A chave de parafusos assassina !


Hoje volto às histórias rocambolescas do meu sítio. Um dos lugares do Mundo onde acontecem as cenas mais estranhas que se possam imaginar sem que ninguém ache anormal. Há poucos anos existia um café muito agradável com uma excelente esplanada num lugar muito amplo não longe da minha casa. As pessoas conheciam-se mais ou menos e ali se passavam excelentes tardes e óptimos serões. 
Entre os muitos frequentadores, havia um sujeito, alto, magro, na casa dos trinta e muitos ou quarenta e poucos anos, barba escura, que se sentava sempre sozinho à mesa, bebia um café e um cálice de uísque. Só abria a boca para pedir estes dois ingredientes e passava o resto do tempo mudo como uma esfinge milenar egípcia. 
Era um fim de tarde quente de Verão. Eu estava numa mesa e ele noutra. A empregada limpava o chão do interior do café com uma esfregona. Apesar do calor, o cliente "mudo" envergava um blusão castanho de pele, o que, só de olhar para ele, causava suores.
De repente, ouvi uma voz dar-me as "boas tardes". Levantei os olhos do telemóvel onde procurava o contacto de uma amiga. Era o "mudo". 
-- Boa tarde -- respondi-lhe, admirado por ver semelhante personagem dirigir-me a palavra. 
-- Posso pedir-lhe um favor ? -- perguntou-me o "barbudo". 
-- Se puder... -- disse-lhe, pensando que ele me iria pedir lume ou qualquer coisa do género porque ele tinha aspecto de ser uma pessoa bem instalada na vida e não um vagabundo que andasse a cravar dinheiro ou cigarros.
-- Olhe -- explicou-me numa voz muito serena -- Quero matar a minha mulher mas só tenho aqui uma chave de parafusos. O senhor por acaso não sabe onde posso arranjar uma pistola ou uma faca? 
Se eu não fosse um tipo relativamente vivido e habituado a situações inesperadas confesso que me tinha admirado ou ficado atrapalhado com esta inusitada questão. 
-- Um isqueiro ainda lhe posso arranjar, pistolas e facas por acaso hoje não trouxe... -- respondi-lhe com a mesma serenidade.  
-- Obrigado -- agradeceu-me com a toda a lisura -- Então vou ali à loja onde ela trabalha matá-la com a chave de parafusos. 
-- Ok, boa tarde ! -- o que havia de dizer-lhe?...
.........................................................................................
Soube posteriormente que ele entrou no estabelecimento onde a esposa dele trabalhava, puxou da chave de parafusos para espetar na mulher, mas o dono antecipou-se ao crime em perspectiva e partiu-lhe a cana do nariz com uma estatueta de bronze que ornamentava o balcão. De seguida, voltou ao café onde eu estivera e a Dª Fátima, que fervia em pouca água, ainda lhe deu com a esfregona na cara ensanguentada  ao ver o chão que  acabara de limpar cheio de manchas vermelhas. Reencontrei-o umas duas semanas depois com o rosto todo ligado. Desta vez não me falou...
Há dias em que não se pode sair de casa para matar ninguém...


domingo, 15 de maio de 2011

Presidente do FMI seria preso em Portugal?


FMI, sexo e polícia

O presidente do Fundo Monetário Internacional, Dominique Strauss-Khan, socialista muito elogiado por Mário Soares e candidato pelos "sócrates" gauleses à presidência da França, foi preso pela polícia nos Estados Unidos, já quando se encontrava dentro do avião para regressar à Europa. Apenas meia dúzia de horas antes, uma empregada do hotel onde o tipo que concordou em mandar 78 mil milhões de euros para Portugal se encontrava hospedado, queixou-se à Polícia que tinha sido molestada sexualmente pelo todo-poderoso homem da massa mundial.
Ao contrário desta caricatura de república democrática que é Portugal, nos Estados Unidos a lei é igual para todos. Doa a quem doer. Assim sendo, aquilo que no nosso país seria um processo lento para alguma autoridade levantar o rabo da cadeira, ainda teríamos o Procurador-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, se não estivessem incontactáveis no fim-de-semana, a vasculharem na constituição lusitana e no código penal quem poderia ou não investigar o caso. Entretanto, atarantados com a personalidade que lhes escaldava nas mãos como uma batata quente, ligariam de imediato para o ministro da Justiça, Alberto Martins, que ficaria a tremer como varas verdes a ligar para o telemóvel (pago pelos nossos impostos) do primeiro-ministro José Sócrates, que, em campanha eleitoral, mal ouvia o que lhe murmurava o subordinado do partido e do governo. 
"É pá, vê lá se isso não é mais uma campanha ultra-liberal de Passos Coelho ou um pentelho do Catroga", dir-lhe-ia o nosso primeiro-ministro, antes de lhe recordar "olha que o sr. Dominique Strauss-Kahnn (em francês técnico) é um nosso camarada socialista e foi ele quem nos deu os 78 mil milhões para continuarmos a comer e a beber à custa da barba-longa". 
Alberto Martins liga para o camarada Rui Pereira, ministro da Administração-Interna: 
"Ohpa, tens de ir investigar o camarada Dominique Strauss-Khan que andou a meter os pentelh...bolas...o "coiso" na boca de uma gaja lá no hotel...Vê lá, falei com o chefe e ele mandou-nos ter cuidado...Pode ser uma armadilha do Passos Coelho ou da múmia do Catroga".
Rui Pereira, que estava a ler a secção de crimes do "Correio da Manhã" para saber se o país estava calmo e sereno, perguntou ao camarada socialista da Justiça:
"Quem é esse Sacanauss, é algum chinês que vem jogar para o Sporting?"...
"Porra -- explodiu Alberto Martins -- o cheiro da droga que a tua Polícia anda a apreender aos teus polícias anda a dar-te cabo da carola. É o PRE-SI-DEN-TE do F.M.I., caraças !"
Rui Pereira, branco como as folhas do programa eleitoral do PS, levantou-se de um salto e titubeou:
"Aquele tipo da massa que nos deu os 78 mil milhões para estoirarmos se formos eleitos?".
"Esse mesmo !".
Rui Pereira liga para a esquadra mais próxima:
"Quero falar com o comissário !"
"Não está" -- responde o agente. 
"Onde foi? Onde posso encontrá-lo?", interroga o ministro. 
"Está preso. A prestar declarações no tribunal porque a Polícia veio aqui à esquadra e prendeu-o".
"Porra, chame o sub-chefe", ordenou o ministro. 
"Está de baixa psiquiátrica desde que foi corrido a tiro de caçadeira pelos pre...aqueles gajos de uma cor que não se pode dizer dos Olivais". -- informou o agente. 
"Mas quem raio está aí?", encolerizou-se pela primeira vez na vida o imperturbável Rui Pereira. 
"Eu e o cabo Costa", relatou o agente. 
"Chame o cabo Costa", rugiu o ministro. 
"Está na retrete, de cag....de diarreia, o sr. cortou-nos as verbas e o cabo Costa comeu uma sandes de coiratos fora de prazo....e já está ali desde ontem na cag...na sanita". -- explicou o policial. 
"Então -- ordenou ministro -- você meta-se no carro e vá ali ao hotel..."
"Não posso -- interrompeu o agente -- A nossa viatura tem os pneus carecas, os calços dos travões gastos, a direcção empenada, o pisca da esquerda partido, o radiador furado, uma fuga de óleo e só trabalha um cilindro". 
"Valha-me Deus, chiça que até sou maçónico, e aquela viatura rápida, o Opel Corsa capturado aos tipos que arrombaram o multibanco, que eu vos mandei entregar há cinco anos?" -- perguntou ansioso o governante.
"Chefe, desculpe, sr. ministro -- relatou o agente -- veio cá ontem a empregada do primo da secretária da tia do assessor da avó do sr. secretário de estado a requisitar o carro para levar os miúdos para a praia da Costa este fim-de-semana". 
"Cambada de penduras do Estado -- berrava o ministro Rui Pereira, enquanto o motorista lhe abria a porta do seu lustroso Audi A 8 -- mexa-se, homem, vá lá ao hotel de qualquer maneira". 
"Se for de autocarro pagam-me o bilhete? É que cortaram o subsídio de desemprego à minha mulher..." -- balbuciou o guarda. 
"Só pensam em dinheiro, cambada de gananciosos, vá lá, rápido"-- gritou-lhe o ministro enquanto guardava o telemóvel de última geração distribuído a todo o governo após o 32º empréstimo contraído por Portugal nos mercados internacionais. 
Duas horas depois, o guarda Constantino chegou ao hotel e perguntou ao recepcionista: 
-- Qual é o quarto do sr. Dominó Descalço Cão? 
-- Como? Aqui não há cães, sr. guarda...Isto é um hotel de cinco estrelas...
-- Não goze -- avisou o polícia -- é o presidente do F.B.I., não se faça de parvo. 
-- Ah, o Sr. Dominique Strauss-Khan, presidente do F.M.I.... -- rectificou o recepcionista. 
-- Talvez, não falo estrangeiro -- esclareceu o polícia -- acabei as Novas Oportunidades no Magalhães e ele não falava espanhol...
-- Pois, esse senhor já fez o check-out e saiu -- disse o empregado do hotel. 
--Então saiu e foi para o Bairro Alto, obrigado -- agradeceu o agente da autoridade.
-- Bairro Alto, não, check-out, saída, o sr. Dominique foi para o aeroporto -- rectificou o  já desesperado recepcionista para o ofegante guarda. 
O polícia procurou uma cabina telefónica que não tivesse sido ainda vandalizada, desistiu à 23ª tentativa, pegou no seu telemóvel particular (pago do seu bolso ao contrário dos políticos) e ligou para a sua esquadra.
Após 11 tentativas, ouviu-se uma voz:
-- Quem fala...?
-- Já cagaste tudo, ó Costa ? -- perguntou o Constantino. 
-- O que é que queres? Tou com as calças na mão e o cassetete está a aleijar-me os pentelhos... -- respondeu. 
-- Avisa o comando que o Domingos do F.I. qualquer coisa já está no aeroporto... -- berrou o guarda Constantino às aranhas com a falta de redes. 
O cabo Costa dedilhou o número no velho telefone para o Comando-Geral.
-- Está? -- atendeu o sub-intendente de serviço. 
-- Aqui cabo Costa -- apresentou o agora chefe da esquadra colocando-se em sentido, o que lhe fez cair as calças aos pés... -- É para informar o comando que um tal  Bernardo da FIFA já está no aeroporto. 
-- Porra, seu cara de cu e quem é esse gajo, o que tenho a ver com isso? Faça um relatório completo e mande-me...-- gritou-lhe o superior.
-- Sr. intendente -- gaguejou o  cabo -- Deve ser um ladrão importante porque ligou para aqui o ministro...
-- O ministro, o ministro? Qual? O nosso? O da Administração-Interna?
--Sim, patrão, desculpe, ó chefe, perdão, ó senhor intendente, é esse mesmo o Interno... -- disse, cada vez pior da indisposição intestinal, o infeliz do Costa, já a pensar em meter baixa.
O intendente do comando-geral liga ao ministro da tutela:
-- Fui informado por um subordinado que o sr. Bernardo da FIFA já está no aeroporto, sr. ministro -- garantiu o polícia supremo do país. 
-- O sr. Dominique Strauss-Khan, quer o senhor dizer, gaita... -- insurgiu-se Rui Pereira.
Rui Pereira para Alberto Martins, ministro da Justiça:
-- Eh pá, o camarada Dominique já está no avião !
O ministro da Justiça para o primeiro-ministro:
-- Reverência, chefe, Sua Santidade, o camarada Dominique já está no avião !
O PM em toz feroz, entre berros de "demagogia", "neoliberalismo" e "só querem o poder" para o camarada com a pasta da Justiça: 
-- Prendam a gaja que quis decepar sexualmente à dentada o camarada Dominique e vejam bem nos nossos ficheiros secretos se ela não tem uma mãe, uma tia, uma prima, uma empregada, uma vizinha, uma amiga da vizinha, um antepassado qualquer do PSD, ok (técnico) ?
-- Sim, eminentíssima ! 
Processo encerrado. 

(Pode ser reaberto a pedido de algum leitor) 






sexta-feira, 13 de maio de 2011

Parascavedecatriafobia


Ora diga lá parascavedecatriafobia sem se enganar e mais depressa que "três tristes tigres". Não consegue. Poís é. Trata-se de uma fobia às sextas-feiras dia 13. Mas porquê? Pessoalmente não sei. Lembro-me de que quando era miúdo uma tia minha me ter convidado para jantar numa festa de aniversário do meu tio porque estavam 13 pessoas à mesa e para não dar azar não sei a quem calhou-me a mim o azar de ser o comensal nº 14, especialmente porque não gostava nada daquela gente. Nunca perdoei à minha mãe ter-me obrigado a ir àquele jantar...

Existem histórias que remontam à mitologia nórdica. Na primeira delas, conta-se que houve um banquete e 12 deuses foram convidados. Loki, espírito do mal e da discórdia, apareceu sem ser chamado e armou uma zaragata, o malandro, que terminou com a morte de Balder, o favorito dos deuses. Há também quem acredite que convidar 13 pessoas para um jantar é uma desgraça, simplesmente porque os conjuntos de mesa são constituidos, regra geral, por 12 copos, 12 talheres e 12 pratos. Estão a ver porque a minha tia me convidou, não estão?
Segundo outra versão, a deusa do amor e da beleza era Friga, que deu origem a frigadag, sexta-feira. Quando as tribos nórdicas e alemãs se converteram ao cristianismo, Friga foi transformada em bruxa, a pobrezinha. Como vingança, ela passou a  reunir-se todas as sextas com outras 11 bruxas e o demónio e os 13 ficavam rogando pragas aos humanos. Da Escandinávia a superstição espalhou-se pela Europa.
Com relação à sexta-feira, diversas culturas a consideram como dia de mau agouro:
  1. Alguns pesquisadores relatam que o grande dilúvio aconteceu na sexta-feira.
  2. A morte de Cristo aconteceu numa sexta-feira quando é celebrada a Páscoa.
  3. Os marinheiros ingleses não gostam de zarpar  os seus navios à sexta-feira.
No Cristianismo é relatado um evento de má sorte em 13 de Outubro de 1307, uma sexta-feira, quando a Ordem dos Templários foi declarada ilegal pelo rei Filipe IV de França. Os seus membros foram presos simultaneamente em todo o país e alguns torturados e, mais tarde, executados por heresia.
Bom, perante tudo isto, antes o jantar em casa da minha tia, onde fui sempre o 14º a ser servido. Nunca mais lá voltei ! Pfff !

quarta-feira, 11 de maio de 2011

O PARAÍSO da Dona ELSIE EILER !

A Dona Elsei Eiler


Há nos Estados Unidos uma cidade chamada Monowi no estado do Nebraska. Quem não sonha com viagens ao país das oportunidades e das grandes metrópoles com mais de 10 milhões de habitantes como Nova Iorque, Los Angeles, Las Vegas, Chicago, San Francisco, ruas apinhadas de gente, os carros a entupir as ruas, as luzes de néon a colorirem a noite, os arranha-céus, enfim, um frémito de actividade e movimento que deixa um tipo de cabeça à roda com tanto luxo e ostentação. No início do século XX os imigrantes sicilianos que partiam para a rica América estavam convencidos de que as ruas estavam cobertas de ouro. 
A grandiosidade de Nova Iorque, por exemplo, é tão substancial que nos ataques terroristas do 11 de Setembro de 2001 o Mundo (quase todo) comoveu-se como se fosse o seu próprio país a ser atingido pelas aeronaves que derrubaram as Twin Towers. 
Até o nosso (salvo seja, meu não é...) primeiro-ministro José Sócrates se deixa seduzir pelo luxo de nova-iorquino e abastece o seu guarda-roupa numa loja exclusiva a clientes VIP's à custa dos nossos impostos e do FMI. Mas isso é outra conversa...
Se os meus amigos que têm a pachorra de me ler forem "turistar" aos Estados Unidos dêem um saltinho até ao estado do Nebraska e visitem Monowi. Porquê?
Lá encontrarão uma simpática septuagenária, Elsie Eiler, que o receberá de braços abertos e poderá passar com senhora uns dias inesquecíveis. No entanto, não procure mais ninguém nas seis ruas de Monowi. Nem na igreja, nem na charcutaria, nem na pastelaria, nem na escola ou na biblioteca da cidade. A razão é simples: a Dona Elsie Eiler é a única habitante da cidade de Monowi, fundada em 1900 e que chegou a ter uma multidão de 150 pessoas nos anos 30. 
O dia-a-dia da Dona Elsie Eiler é tratar da casa, ir à igreja onde só tem Deus para lhe dar dois dedos de conversa, espera ao balcão da charcutaria por algum cliente perdido e ainda dá uma saltada à pastelaria não vá aparecer por ali um tipo a pedir um galão e uma bola de Berlim...
Ali é um sossego completo desde que o caminho-de-ferro deixou de passar pela localidade em 1971 porque os americanos não são doidos e não vão em tgv's, nem os terroristas vão lá despenhar aviões, nem sequer lá chegam as notícias das aldrabices político-contabilísticas do governo português que levou o país à bancarrota. 
Portanto, se estiver stressado com a lufa-lufa da campanha eleitoral dos Sócrates, Coelhos, Portas, Louçãs ou Jerónimos, mais os comentários dos milhentos comentadores que se comentam até à náusea, dê uma saltada até Monowi e à agradável companhia da Dona Elsie Eiler. Eu de bom grado mandaria para lá metade do meu prédio, os embirrantes condóminos que marram por causa crianças, gatos, cães, plantas, pinturas, obras, fumos, cheiros e tudo o que podem pegar para chatear o juízo ao próximo, mas isso seria estragar o paraíso da Dona Elsie Eiler, coitada. 
A terminar, só mais umas curiosidades. A Dona Elsie Eiler é a "mayor" (presidente da câmara) da cidade. Adivinhem como foi eleita...Claro...Votando nela própria...E também é "xerife", a autoridade local da terra, e se ela infringir a lei...prende-se a si própria...Dura lex sed lex !


Monowi, um habitante !

terça-feira, 10 de maio de 2011

A minha NIKA faz 13 anos


Hoje é dia de festa. A minha gata Nika nasceu há precisamente 13 anos. Ia a passear com o meu filho num centro comercial quando passámos por uma loja de animais. Vimos duas bolas de pêlo. A Nika, persa tartaruga azul, vivaça e irrequieta, e a irmã preta e azul, mas muito calminha. Já tinha um gato em casa, o Bolacha, e não queria mais animais. Virámos as costas à Nika, que arranhava agilmente o vidro, como a pedir-nos: "Levem-me que sou boazinha". Uma semana depois lá continuavam as duas gatas com um letreiro onde se lia "80 contos". A bichana levantou-se e voltou a raspar a montra com as mãos muito felpudas. O meu filho olhou para mim e eu para ele. Entrámos na loja e ela sempre a seguir-nos com o olhar. A empregada abriu a "jaula" e a Nika saltou imediatamente para os braços do meu filho, onde se aninhou com um "rom-rom" com o som no máximo. Paguei e trouxe-mo-la para casa. Começou imediatamente a investigar todos os cantos do apartamento, sempre seguida pela curiosidade do Bolacha, que era terrível com os intrusos de quatro patas mas recebeu a nova companhia de patas abertas. 
A Nika, sempre muito irreverente e mexida, apropriou-se das instalações, promoveu o meu filho a dono e tem sido uma companhia com uma sensibilidade admirável. Sabe interpretar como ninguém o meu estado de espírito e já teve cinco ninhadas. A primeira vez que deu à luz chamou-me para ajudá-la. Era novinha e o Tomassas custava a sair das entranhas da mãe. Lavou-o e deixou-me pegar nele enquanto os outros dois esperavam a sua vez de entrar neste Mundo. Anda atrás de mim por todo o lado, como se fosse um cão, e tem a mania, dolorosa para mim, de trepar pelo meu corpo quando estou despido. Aiiiiiiiiiiiiiiiiii. Esteja quem estiver comigo na cama ela não dispensa o seu lugar ao lado da minha almofada e de noite deparo-me sempre com aqueles olhos enormes a observarem-me. 
Há uns anos, uma das minhas ex-companheiras, teve a infeliz ideia de me fazer um ultimato: "Ou eu ou a gata!". 
Claro que a gata continua comigo. Podia lá passar sem aquele montão de pêlo na minhda vida. Miau ! 

O meu amigo SATANÁS


O  meu sítio tem umas figuras castiças. Como é um mix de "dormitório" e aldeia da roupa branca o pessoal conhece-se melhor ou pior aqui por estes quarteirões. Um desses meus amigos é um bocadinho excêntrico. Utilizo este adjectivo porque não existe nenhum que o possa definir com exactidão. Este aproxima-se um pouco da sua personalidade mas o homem é bastante mais complexo. O meu amigo Luís não consegue viver sem uma mulher a seu lado. Até aí tudo bem. Já mudou de companheira várias vezes. Está certo. Também já fiz o mesmo. Porém, ele eleva o nível das relações até ao expoente máximo. 
Uma bela noite, o Luís enfeitou o quarto conjugal com velas, despiu a mulher, amarrou-a à cama, vestiu uma opa negra, colocou um par de cornos na cabeça e começou a invocar o Diabo com "orações" que fariam corar São Cipriano. E o que se previa uma noite rotineira de sexo conjugal acabou por ser uma cena dos diabos...A mulher começou a entrar em pânico, tentou desesperadamente desamarrar-se da cama, berrou a plenos pulmões por ajuda e ele impávido e sereno  cumprir a suas obrigações de marido, sempre a clamar pelo Mafarrico, como se nada de anormal estivesse a acontecer. 
Após muitas tentativas, a mulher lá se livrou das amarras, saiu debaixo do Luís e fugiu para a rua com a "roupa" com que nasceu. Como não é muito normal ver-se uma mulher completamente despida lá pela urbanização, alguns homens (contrariados pelas respectivas...) começaram a juntar-se em redor da senhora histérica. 
Tanta gente às 3 ou 4 da manhã chamou, por seu lado, a atenção da Polícia, que depois de cobrir a senhora com um blusão tomou conta da ocorrência. O amigo Luís, vendo que a "coisa" poderia dar para o torto, desceu as escadas com o traje diabólico ainda no corpo, meteu-se dentro do carro e fugiu do alarido que a sua sessão de sexo infernal provocara. 
Já no IC 19 a caminho de Queluz foi embatendo na traseira de vários carros. Batia, desviava-se, acelerava e ultrapassava. Depois de deixar seis ou sete automóveis amachucados pelo caminho foi perseguido pela GNR, que o interceptou a meio quilómetro do Hospital Amadora-Sintra. 
O agente aproximou-se da janela do carro do Luís e pediu-lhe a identificação e os documentos do carro.. 
-- Sou o Satanás -- respondeu-lhe o meu excêntrico (continuo sem encontrar outra palavra mais apropriada para o descrever) -- Não me conhece? 
A GNR, perante esta descrição, pegou nele e enfiou-o nas urgências do Hospital Amadora-Sintra, onde ficou uma semana internado na ala de psiquiatria. 
Passado pouco tempo encontrei-o na rua e ele, sempre com o ar calmo e sereno que o caracteriza, disse-me: -- A minha mulher deixou-me...Tens alguma amiga que me possas apresentar? 

PS--Alguma interessada pode deixar o contacto na minha caixa de comentários !

domingo, 8 de maio de 2011

CÃO à caça de BIN LADEN

O soldado e o cão, ou vice-versa,em pleno salto!


Eu bem desconfiava que os americanos só por si tinham capturado (?) ou matado (?) Bin Laden. O pobre do terrorista andava pelas montanhas do Afeganistão e do Paquistão como um mendigo sem-abrigo e a mais poderosa máquina militar do Mundo, dizem eles, procurou-o durante quase dez anos sem qualquer sucesso. Mais moroso que isto só a Justiça portuguesa...
Afinal entre os 79 "navy seals", uma espécie de "rambos" com barbatanas, encontrava-se um...cão. Quando foram largados dos "Black Hawks", uns helicópteros quase tão temíveis como os nossos submarinos, os "cowboys" de Obama foram guiados por um cão pastor-alemão (até nos caninos a Merkel tem sorte) até ao terrorista mais procurado do planeta, que vivia em condições mais degradantes que a Zona J de Chelas ou o Bairro do Aleixo, no Porto. 
Não fora o infalível faro do soldado de quatro patas, mais eficaz que as centenas de satélites que gravitam por cima da nossa tola, e no dia 5 de Junho o Bin Laden ainda assistiria às eleições portuguesas que encaminharão 250 talibãs para a Assembleia da República. Ão...ão!

sábado, 7 de maio de 2011

Amigos e "amigas"


Sempre fui da opinião que os Homens e as Mulheres não vieram a este mundo para serem amigos. É um contra-senso. A raça humana não sobreviveria muito tempo se a amizade fosse o sentimento dominante  entre os dois sexos. Infelizmente, a grande maioria dos meus amigos masculinos já faleceram e algumas das minhas paixões femininas também. Os anos não perdoam. Os amigos masculinos raramente me desiludiram mesmo depois de andarmos à estalada algumas vezes, as "amigas" femininas não batem mas às vezes deixam um tipo psicologicamente de rastos. O pior de tudo é que não consigo "explodir" com elas como "explodi" com alguns amigos meus. Elas têm o "killer instinct" de acertarem em cheio no alvo. Na "mouche" da ira masculina. Esta semana não me desiludi, porque já sei o que a casa gasta, com uma suposta "mais-que-amiga" quando ela me disse: "Se não fosse tua amiga não te tinha feito aqueles favores..." Há palavras muito mais dolorosas que facadas... Não respondi dando em troca algumas ofertas que lhe fiz. Os favores que se fazem não são arma de arremesso, na minha singela opinião. Fazem-se e esquecem-se. A não ser que quem faça um favor não seja um/a amigo/a genuíno/a. Como na realidade não era. E para mim essa pessoa "desapareceu" nas brumas da memória e nas letras deste "post". Estarei errado? Talvez! Mas cada um é como é...

sexta-feira, 6 de maio de 2011

O mau estado do ESTADO


Este País não é para quem vive fora do Estado...


Por que será que existem grandes resistências às mudanças que se impõem no nosso país? Pela simples razão que mais de metade da população vive à custa do Estado, uma teta que dá leite para a vida inteira e com mordomias inexplicáveis pela   bizarria de tão poucos descontarem para tantos. 
São eles órgãos de soberania, ministros, secretários de estado, deputados, assessores, secretárias, motoristas, partidos, professores, polícias, forças armadas, juízes, empregados auxiliares, gestores públicos, autarcas, vereadores, presidentes de Junta da Freguesia, governadores-civis, funcionários de empresas autárquicas, pessoal da RTP, RDP, CGD, TAP, Refer, Carris, Transtejo, direcções-gerais, direcções regionais, finanças, reformados, beneficiários de rendimentos de inserção, etc., enfim toda uma multidão que pouco ou nada produz de valor acrescentado e susceptível de fazer entrar riqueza no País. 
O Estado e a Administração Pública foi usurpada pelos partidos políticos, especialmente nos últimos trágicos anos de governação do Partido Socialista, por onde se distribuem lugares (não trabalho, claro...) pelos apoiantes partidários. Apesar de estarmos perante o espectro da bancarrota vai ser difícil implementar as medidas exigidas pelo FMI a troco de um empréstimo de 78 mil milhões de euros. Os autarcas já começaram a espernear com a perspectiva de serem diminuídos os concelhos no País. Por razões óbvias!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

O que não fazia pela ANGELINA JOLIE...


Não há palavras...
A "coisa" já andava no ar há muito tempo. Angelina Jolie é bissexual e nos intervalos dos encontros no leito com o marido, Brad Pitt, dá umas escapadelas por umas camas de umas amigas. Esta mulher com uns olhos de anjo e uma boca diabólica tem o raro condão de atrair homens e mulheres, mesmo algumas que nunca pensaram na vida em enrolarem-se com uma pessoa do mesmo sexo. Duas amigas minhas, casadas, heterossexuais devotas, confidenciaram-me há uns dois ou três anos que se um dia "virassem" para o "outro lado" só alinhariam na aventura lésbica se fossem convidadas pela...Angelina Jolie. E se estas minhas amigas são mulheres de fazer parar o trânsito por muito apressados que estejam os condutores. 
Dizia uma suposta ex-amante de Angelina Jolie, a actriz e modelo Jenny Shimizu, há tempos numa entrevista, que a boca da Angelina Jolie "faz maravilhas". Oh, como eu acredito !
 A angélica Angelina jura a pés juntos que não existem outros homens na sua vida a não ser o sortudo do marido Brad Pitt e que as relações extra-conjugais com mulheres não se podem considerar uma traição. Mais um vez concordo com ela. Se fosse marido dela pensaria exactamente o mesmo. Até me podia convidar para a "festa" que não me importava nada...
Nunca me vesti de mulher nem em dias de Carnaval quando as "matrafonas" são mais que muitas. No entanto, para "dar a volta" à Angelina Jolie juro que ia uma semana para "obras" até ficar ao gosto de uma das mais belas mulheres que a Natureza produziu até hoje. Olá se ia!