domingo, 6 de fevereiro de 2011

Em memória dos mortos da Guerra de África


Pintei este combatente em memória dos 9 mil soldados que tombaram na Guerra do Ultramar.
A Pátria chamou-nos e nós respondemos presente.
Foi uma guerra justa?
Não há guerras justas.
São todas iguais.
Sangue, ferimentos, morte.
Felizmente as mães, os pais, as mulheres, os irmãos, os filhos não viram como tombaram os seus entes.
Os gritos lancinantes pelas mães, mulheres, filhos ou Deus.
Mas Deus ausenta-se das guerras.
Os filmes não reproduzem uma imagem fiel dos conflitos.
O cheiro a morte, a sangue, a ossos desfeitos, a feridas horríveis.
O odor penetrante da pólvora, da cordite, os assobios agudos dos projécteis e dos estilhaços de granadas.
O ar quente das explosões.
Memórias no corpo e na alma.
Fomos e muitos de nós voltámos.
Mas nunca esqueceremos.

Sem comentários:

Enviar um comentário